19/10/2008

A vaca Holandesa e a melhor máquina de produzir leite do mundo.


Parte de uma entrevista do Dr. Ted Burnside.


Nota do editor: este texto foi enviado por Sten Johnsson, do Rio de Janeiro e as partes assinaladas em azul são de sua autoria. O original desta entrevista, segundo Sten Johnsson, está no site da genética sueca.


Mas sua característica inata de produzir leite, junto com um cuidado individual deficiente nos rebanhos grandes de hoje e o impacto negativo da consangüinidade, resultado de una seleção extrema, a esta levando a um descarte muito cedo em sua vida.

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

A consangüinidade combinada com altas produções produziu uma vaca que não emprenha facilmente.

(E fato na seleção do Gir a utilização de alguns touros massivamente, com genealogias similares. Basta uma análise dos animais premiados, dos catálogos de leilões e animais dos principais rebanhos para nos preocuparmos com o futuro.)

A influência negativa das exposições a fez mais alta, mais pesada, mais de "tipo leiteiro" (=sharper). Isto a expõe ainda a mais estresse físico e leva a problemas de patas y de claudicação, o qual por sua vez contribui para uma deficiente detecção de cios e a um descarte prematuro por infertilidade.
Existem rebanhos grandes que tem mais de 35 % de descartes anuais e que não podem recriar sua própria reposição.

O tremendo estresse físico por produções muito altas combinado com seu extremo "tipo leiteiro” (=sharpness), também a leva a uma diminuição na resistência a enfermidades.

Pergunta: Hoje existe uma tendência mundial de incluir as características de longevidade e de funcionalidade nos índices de seleção dos touros, mas os que estão trabalhando nisto encontram enormes limitações para poder avaliar a estas características nos touros novos e ate se sugeriu que talvez se devesse esperar a segunda geração de filhas de um touro para poder avaliar corretamente a estes caracteres. É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

Como se poderiam identificar estes problemas?

Burnside: As provas de touros devem ser refeitas para incluir pelo menos 200 filhas de cada touro já em seu primeiro estagio, para poder obter resultados com confiabilidade -fiáveis- de sua transmissão de fertilidade, resistência a enfermidades e outros fatores que contribuem a que suas filhas tenham uma longa vida produtiva no rebanho.

(Que resultado teríamos caso fossem avaliadas 200 filhas dos atuais touros Gir tidos como provados?)

Pergunta: Muitos Centros de Inseminação chegam a provar apenas 100 filhas de cada touro, e você sugere o dobro! Ha. alguma evidencia de que isto resolveria nossos problemas e justificaria a perda de genética ao poder testar menos quantidade de touros jovens?

(Quantos touros “provados” Gir têm 100 filhas avaliadas com rigor? Quantos touros são “provados” a cada ano? Não estaria na hora de estabelecer critérios mais rígidos, detalhados e completos para qualificar os touros provados?)

Burnside: Devemos reconhecer a liderança técnica do finado Dr. Harald Skjervold da Noruega, que junto com seus estudantes desenvolveu o poderoso Programa de Seleção dos Paises Escandinavos (= Suécia, Noruega, Finlândia e Dinamarca).

Começando nos anos 60 com pequenas vacas vermelhas do tipo Ayrshire y Shorthorn Leiteiro e concentrando seu esforço nas provas massivas de touros jovens e com o uso de inseminação e controle leiteiro compulsivos, Skjervold efetivamente fez obsoletos aos Herdbooks (= os livros de pedigrees) das raças leiteiras, voltando-se ao uso de programas de seleção por genética, computada y levada a cabo por técnicos. Eles tiveram êxito, igual ao que ainda hoje tem as empresas que os usam para selecionar suínos. É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

Estes programas conseguiram vacas de tamanho médio com excelentes produções de leite e de proteína, com uma alta resistência a enfermidades e muito férteis. Eles o conseguiram porque avaliaram a mais de 200 filhas de cada touro, já em sua primeira lactação, e tomaram nota de cada enfermidade, cada inseminação, cada parto. Com muita persistência selecionaram por estes itens: fertilidade e facilidade de parto, junto à produção de proteína y ultimamente também por patas, cascos e ubres.

Com muito bom critério deixaram o resto da conformação da vaca para a Natureza. Eles deduziram que as vacas com a vontade de produzir muito leite, com boa resistência a enfermidades e aptidão para conceber cedo na lactação, podem não terem todas o mesmo aspecto físico. Eu levei o Dr. Skjervold ao Canadá nos anos 60 e quando lhe perguntei se ele não apreciava a importância de uma boa conformação na vaca Holandesa de então, ele me disse: todos os cavalos que ganham o Grand National (uma corrida de obstáculos muito importante que todos os anos se corre em Liverpool, Inglaterra) não têm o mesmo físico.

Porque temos de assumir que as vacas que produzem 100.000 litros tem que ter todas o mesmo aspecto?

Enquanto tanto na América e na Europa ignoramos os programas Escandinavos e avançamos enormemente em quanto à produção de leite das vacas holandesas fizemos uma troca radical em sua conformação, utilizando a técnica BLUP com muita eficácia. Lamentavelmente a BLUP tende a aumentar o coeficiente de consangüinidade, porque os parentes dos animais que estão na ponta do ranking também são os de muito altas produções.

Agora deveríamos parar um pouco, modificar nossos programas de seleção e de controle leiteiro como para poder captar todos os dados sobre enfermidades, e com 200 filhas avaliadas de cada touro, poder produzir dados relevantes para estas características. Então, se colocarmos, digamos, 20 % ou mais de peso em na seleção por fertilidade na fêmea e na resistência a enfermidades e se utilizamos o índice que representa a contagem de células somáticas nos nossos programas de seleção durante os próximos 20 anos, então pode ser que consigamos salvar a vaca Holandesa!!

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

Deveremos concentrar nas características de conformação principais, como ubres, patas y cascos y ainda selecionar mais por proteína e gordura e deveremos deixar que a estatura, o tamanho e outros caracteres físicos modifiquem à medida que avance o processo de seleção por rentabilidade.

Sobre o autor:

Ted Burnside, cientista e geneticista, internacionalmente reconhecido por suas habilidades de orador provocativo, o que leva a seus ouvintes a questionar as idéias tradicionais. Nasceu e cresceu em uma Granja de gado Holandês em Madoc, em Ontário, Canadá y foi durante 33 anos professor da renomada Universidade de Guelph no Canadá.

Trabalhou 4 anos como geneticista na SEMEX y trabalha atualmente como consultor em genética de forma privada.

A Revista "Holstein Internacional" (donde apareceu esta entrevista em sua totalidade, esta e só uma parte) buscou sua opinião sobre o futuro da seleção dentro da raça Holandesa.

Nenhum comentário: